Copa América

A Copa América 2021 já é uma das mais conturbadas da história. Isso porque antes mesmo do seu início, os bastidores do torneio estão agitados. Primeiramente, tivemos a Conmebol retirando a Colômbia por conta de toda a crise social que vive o país. Em seguida, foi a vez da Argentina desistir de sediar o torneio, por conta do surto de Covid-19 que afeta o país.

Por conta de todo esse cenário, as especulações ganharam força. Desde transferir a disputa para outro país sul-americano, Estados Unidos ou até Israel, ou mesmo suspender a competição. Mas a decisão acabou sendo de transferir a Copa América para o Brasil.

Advertisement

A Conmebol, através do seu Twitter oficial, chegou a anunciar que a competição seria realizada em terras brasileiras, mesmo antes de um acerto formal com governo brasileiro, na segunda-feira (31). A repercussão foi instantânea, tanto no Brasil como no mundo.

Dentre debates e opiniões contrárias e favor, a maior parte eram de críticas sobre como o país, que vem mostrando problemas para combater a pandemia do Covid-19, poderia sediar o torneio.

O Brasil deveria ser sede da Copa América? É o momento para pensarmos nisso?

Futebol interno – estrutura, estádios e sedes

Inicialmente vamos focar apenas na questão esportiva. Os estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo se posicionaram contra a realização da competição, informando que não iriam sediar o torneio. Em paralelo a isso, temos que lembrar que por conta do calendário brasileiro, as competições internas não param durante a Copa América.

Dessa forma, temos alguns problemas. Os jogos seriam disputados em quais estádios? Iríamos ter rodadas duplas do Brasileirão como Copa América no mesmo estádio? Além disso, onde as seleções iriam treinar? Basta lembrar que em outras competições do gênero, os CTs dos clubes são usados para essa finalidade. Mas é possível imaginar que as equipes iriam abdicar ou mesmo dividir suas estruturas?

Repercussão negativa da Copa América no Brasil

As redes sociais, com destaque para o Twitter tiveram inúmeras postagens contra a realização da competição. Inclusive com atletas e pessoas influentes, dentro e fora do país. A imprensa internacional reagiu com ironia e surpresa negativa sobre a escolha do Brasil como sede. Além disso, entre os políticos o assunto também gerou repercussão. Tanto que o STF recebeu uma ação por parte do deputado Júlio César Delgado (PSB), para impedir a realização da Copa América.

Além disso, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) convocou o Rogério Caboclo, presidente da CBF, para depor na comissão da CPI da Covid e explicar sobre a competição sul-americana no país.

Covid-19

Por fim, mas talvez o mais importante, a situação do coronavírus em si. Hoje o Brasil tem mais de 450 mil mortes por conta do vírus. E apenas 21,58% da população vacinada, sendo que destes, somente 10,48 receberam a segunda dose. Estes números, por si só, já seriam suficientes para entender que sediar a Copa América nunca deveria ter entrado em debate.

Além disso, é no mínimo estranho que o governo tenha demorado tanto para negociar as vacinas do Covid-19, mas tenha negociado tão rapidamente com a Conmebol para receber o torneio sul-americano.

Por fim, não podemos esquecer da questão relacionada a quantidade de pessoas de fora do país envolvidas na competição. Com notícias de variantes do vírus, como não ficar preocupado(a) com delegações vindo ao Brasil? Esqueçam a história do chamado “protocolo seguro” que os dirigentes insistem em falar que existe no futebol.

Quantos jogadores testaram positivo? Podemos citar até mesmo os atletas que vão disputar a Copa América. Vidal e Arrascaeta são dois casos recentes de atletas que teoricamente deveriam estar em locais “isolados”.

Qual a chance de termos novos casos com delegações sul-americanas vindo para o país? Não se trata apenas dos jogadores, mas também das comissões técnicas. E claro, temos que lembrar que não são apenas as seleções envolvidas na competição. Temos arbitragem, imprensa e muito mais para que o torneio aconteça. Existe a necessidade de expor essas pessoas quando o Brasil é um dos que mais preocupa o mundo pela forma como (não) está combatendo o Covid-19?

Respondendo à pergunta que dá título a este texto, em condições normais o Brasil teria totais condições de sediar a Copa América. Mas na situação que vivemos, “resolver” um problema da Conmebol deveria ser a última de nossas preocupações.

Foto Destaque: Divulgação / Copa América

Flavio Rodrigues

Related Post