Jogo reativo e retranca: existe forma certa ou errada de jogar? Foto destaque: Divulgação/pt.dreamstime.com
Jogo reativo e retranca, é a melhor formar de atuar? Antes de tudo, é necessário deixar claro que não existe forma certa ou errada de jogar. Depende das características dos jogadores à disposição do treinador. Isso porque se tem bombardeado a forma reativa de jogo, salientando-se que os times precisam priorizar o ataque, os treinadores são retranqueiros em sua maioria e assim por diante.
Diríamos que, no Brasil, esta avalanche de críticas faz sentido. Primeiramente, torna-se fundamental destacar que atuar de forma retraída, na essência, não é sinônimo de retranca. É viável uma equipe esperar o rival em linhas mais baixas, marcar com eficiência até a retomada da bola. A partir daí, com posicionamento correto a partir da transição ofensiva, buscar o ataque com velocidade. Dá para golear atuando desta maneira.

Técnicos brasileiros

Entretanto, boa parte dos técnicos brasileiros, até pelo receio de perder o emprego, fazem seus times jogarem na defesa, sem as válvulas de escape para agredir. Assim, o objetivo passa a ser não perder. E só. Então, ocorre o que se chama de jogar por uma bola. Aquele “11” que se apresenta usando esta modalidade, consegue marcar se o oponente errar ou mediante cobranças de falta e escanteio apenas. Enfim, um reportório bastante pobre.
Uma vez feito o gol no jogo, o time passa o restante da partida apenas se defendendo, chamando o outro para seu campo. A torcida vai no sentido de que o adversário peque nas conclusões e não consiga empatar. Ou seja, aguardar o acaso e a incompetência de outrem. Concluindo, jogar reativamente não é errado e nem feio. É uma estratégia que também visa a vitória. Mas, aqui, reação é sinônimo de não passar do meio-campo.
Uma ausência de repertório tremenda. Consequência da insegurança transmitida pelas gestões de futebol. Este o primeiro ponto que precisam mudar quando pensamos no jogo reativo e retranca. Contudo, é assunto para outro texto… Em breve…
Foto destaque: Divulgação/pt.dreamstime.com

Fernando SantAnna

Related Post