Seedorf (Reproduçã0/Bongarts)

Clarence Clyde Seedorf, o meia nascido no Suriname, mas que se naturalizou holandês. Dessa maneira, virou um dos maiores em sua posição. Com isso, o neerlandês conquistou tudo que pôde pelos clubes que atuou. Então, a Coluna Herança do Futebol Total conta sobre a carreira de Seedorf, o clássico meio-campista.

O começo de tudo

O jovem nascido no Suriname foi para a Holanda com três anos, sendo um imigrante. No país europeu o futebol era muito forte, por conta do Carrossel Holandês de 1974 e de Johan Cruyff. Desde muito novo, era conhecido como o garoto que jogava muita bola e tinha uma extrema força. E ainda jovem, fez um teste no Ajax e passou.

Advertisement

Seedorf nas categorias de base do Ajax (Reprodução)

O histórico Seedorf no Ajax

Na temporada de 1992/93, Seedorf, com apenas 16 anos, se tornou o jogador mais jovem a atuar com a camisa do Ajax. Dessa maneira, atuou em 17 jogos e marcou um gol, mas saiu com dois títulos: a Copa da Holanda e a Supertaça da Holanda. Ademais, para iniciar com chave de ouro, foi eleito o melhor jogador do Campeonato Holandês.

No ano de 1993/94, se consolidou ainda mais, Clarence marcou quatro gols em 24 jogos, além de uma assistência. Novamente, conquistou o prêmio de melhor jogador do Campeonato Holandês, assim, conquistando a competição e a Supertaça da Holanda.

Em sua última temporada vestindo a camisa do Ajax, 1994/95 está marcado para sempre na história do holandês e dos torcedores da equipe holandesa. Dessa maneira, ganhou o Campeonato Holandês e a Champions League, com apenas 19 anos. Realizando 48 jogos, fazendo seis gols e dando uma assistência.

Então, pelo Ajax foram 89 jogos, 11 gols e duas assistências. Além de seis títulos em três anos.

Clarence conquistando a Champions pelo Ajax (Reprodução/Pinterest)

A breve passagem pelo Sampdoria

Antes de poder disputar o Intercontinental, a Sampdoria comprou o meia por 3,62 milhões de euros (cerca de R$ 4,5 milhões). Então, ficou apenas uma temporada na equipe italiana, a de 1995/96, fazendo 34 partidas e marcando quatro gols. No entanto, o técnico do Milan na época, Fabio Capello, iria se transferir para o Real Madrid no próximo ano, com isso, se impressionou com Seedorf e o chamou para integrar a equipe espanhola.

Seedorf em sua passagem de Sampdoria (Reprodução/Interleaning)

O Real Madrid galáctico comandado por Seedorf

Em 1996, o Real Madrid desembolsou 8,6 milhões de euros (na época, aproximadamente R$ 11 milhões) para contar com joia holandesa de 20 anos. Com isso, na temporada 1996/97, dominou o meio de campo espanhol e realizou todas as partidas da La Liga, campeonato que ganhou no ano, fora a Supercopa da Espanha. Ademais, foram 42 jogos, seis gols e três assistências.

Já em 1997/98, ganhou tudo que disputou internacionalmente: a Champions League e o Intercontinental. Dessa maneira, jogou 49 partidas, com cinco assistências e marcando sete gols. A atuação do holandês foi magistral e clássica.

Na temporada de 1998/99, o Real Madrid passou sem títulos, mas Clarence jogou 52 vezes, marcou sete gols e realizou seis assistências. Com isso, a equipe não ajudou para que as conquistas acontecessem.

Em 1999/00, Clarence Seedorf jogou apenas meia temporada pelos Merengues, por conta de um desentendimento com o presidente do Real Madrid. Dessa maneira, jogou 13 partidas e deu três passes para gol.

Em suma, pelo Real, nessas quatro temporadas, Seedorf fez 156 jogos, 20 gols e 17 assistências. Ademais, foram quatro títulos conquistados.

Seedorf pelo Real Madrid (Reprodução/Real Madrid)

O azul de Milão

Pela segunda metade da temporada de 1999/00, Seedorf defendeu a Inter de Milão, que pagou 24 milhões de euros (cerca de R$ 45 milhões). Dessa maneira, jogou 25 partidas, marcou cinco gols e deu três assistências. Sem títulos.

Em 2000/01, fez 36 jogos, marcou cinco gols e deu cinco assistências. Mesmo com uma grande equipe a Internazionale não conseguia conquistar os títulos.

Por fim, em 2001/02, foram 32 jogos, três passes para gol e quatro redes balançadas. Então, Seedorf e a Inter de Milão se reuniram após frustração e chegaram ao acordo em uma venda para o rival Milan.

Enfim, jogou 93 confrontos, marcou 14 gols e 11 assistências. Ainda mais, não houve conquistas pela equipe azul de Milão.

Clarence atuando pela Inter de Milão (Reprodução)

O maior Seedorf com o poderoso Milan

Na temporada de 2002/03, o Milan comprou Seedorf por 22,5 milhões de euros (aproximadamente R$ 63 milhões) da Inter de Milão, seu maior rival. Nesse ano, Clarence conquistou a Liga dos Campeões, a Supercopa da Itália e a Copa da Itália. Sendo assim, o primeira jogador a conquistar três Champions por três time diferentes, fora que no campeonato internacional foi o melhor meia. Ademais, foram 48 partidas, sete gols e nove assistências. Perdeu o Intercontinental em 2003 para o Boca Juniors.

Em 2003/04, Seedorf foi eleito o melhor jogador do Campeonato Italiano, competição que o Milan ganhou, além da Supercopa da Itália. Dessa maneira, atuou em 45 jogos, oito passes para gol e três redes balançadas.

No ano de 2004/05, ficou em 2º lugar no Campeonato Italiano e na Champions League, em jogo histórico contra o Liverpool. Com isso, atuou em 49 jogos, fez sete gols e deu oito assistências para seus companheiros de Milan.

Na temporada de 2005/06, caiu nas semifinais da Liga do Campeões, perdendo para o Barcelona de Ronaldinho Gaúcho, e ficou em 3º colocado na Serie A. Ademais, participou de 49 partidas, marcou seis gols e deu oito assistências.

Em 2006/07, chegou mais uma vez na final da Champions League com os Reds, mas dessa vez ganharam, e, assim, conquistou sua 4ª Liga dos Campeões, ganhando o prêmio de melhor meia da competição. Além desse título, o Milan ganhou a Supercopa da Europa e o Mundial de Clubes. Ademais, recebeu o prêmio da UEFA de Melhor Meia da Europa. Ainda mais, fez 51 jogos, marcou 10 gols e deu cinco assistências.

No anos de 2007/08, sem muito brilho, o Milan conquistou apenas a Supercopa da UEFA. Então, Clarence fez 42 partidas, balançou as redes 10 vezes e deu passe para 14 redes balançadas.

O fim de um belo casamento

Por fim, da temporada de 2008/09 até 2011/12, Seedorf e o Milan não fizeram grandes apresentações e não ganharam títulos. Com isso, nesses quatro anos, foram 158 jogos, 19 gols e 25 assistências.

A conclusão desse grande casamento foi, em 10 temporadas, foram 442 jogos, 67 gols e 77 assistências. Além de nove títulos.

O rolê aleatório pelo Brasil

Em julho de 2012, Clarence Seedorf veio dar um rolê aleatório pelo Brasil. Chegou para atuar no Botafogo. Assim, ganhou o Campeonato Carioca, a Taça Guanabara e a Taça Rio. Dessa maneira, foram 25 partidas, cinco assistências e nove gols. O meia se sobressaia- de seus adversários e companheiros.

Em 2013, sua última temporada como jogador, atuou em 34 partidas, fez oito gols e deu nove assistências. Então, Seedorf se aposentou com 38 anos.

Por fim, são 59 jogos, 17 gols e 18 assistências pelo Fogão. E mais uma vez sem títulos.

Clarence Seedorf atuando pelo Botago (Reprodução/Gazeta Press)

A nova esperança holandesa

Em 1994 foi convocado pela primeira vez para defender e vestir a camisa da Seleção da Holanda. Ademais, em 1998, jogou a Copa do Mundo, e muito bem, mas ficou nas semifinais, após perder para o Brasil. Além disso, em 2006, se recusou a jogar o Mundial de Seleções, o motivo é empático, para dar mais chance aos mais jovens.

Com isso, se aposentou precocemente pela Seleção Holandesa, em 2008. A relação entre o país e Seedorf nunca foram dos mais agradáveis. Dessa maneira, fez 87 jogos, marcou 11 gols e  deu seis assistências. Com 28 anos, Clarence se despediu da Holanda.

Seedorf pela Holanda (Reprodução)

Seedorf de terno novamente, mas como técnico

Em 2014, o holandês se aventurou na carreira de treinador. Para iniciar seus trabalhos, começou no Milan, mas dirigiu a equipe em apenas 22 jogos, com 11 vitórias, dois empates e nove derrotas, ou seja, 50% de aproveitamento. O ídolo saiu na mesma temporada

Só em 2016 voltou a comandar algum time, a equipe foi o Shenzen, da China. Por lá fez 14 partidas, com quatro vitórias, quatro empates e seis derrotas, totalizando 28,5% de aproveitamento. Dessa maneira, saiu no mesmo ano do time chinês.

Posteriormente, em 2018, o La Coruña, da Espanha, contratou Seedorf. No entanto, fez só aquele ano também. Após 16 jogos, perdeu oito, empatou seis e venceu apenas dois, contabilizando 12,2% de aproveitamento.

Já no final de 2018, a Seleção de Camarões o contratou, mas saiu em 2019. Por Camarões foram 13 partidas, quatro vitórias, quatro derrotas e cinco empates, tendo 33,3% de aproveitamento. Com isso, se aposentando da fase treinador até o momento.

Clarence Seedorf como treinador (Reprodução/Marco Bertorello/AFP)

Clássico e grandioso

A grande carreira magistral e grandiosa de Clarence Seedorf está marcado na história, mas principalmente no Milan, onde fez de tudo e conquistou tudo possível. Por fim, o holandês é um dos maiores meias de toda a história. Além de ser muito ativo em agradecimentos e lembranças com o Suriname, país onde nasceu, mostrando gratidão e afeto.

Que o nome de Seedorf sempre mantenha-se vivo na memória e na história do futebol. Obrigado por tudo e por toda classe de sempre, como um gentleman, Clarence!

Foto Destaque: Reprodução/Bongarts

Gabriel Yudi
Sou aluno de Jornalismo da PUC-SP (4/8). Sou um grande fã de futebol e do Pelé. Meus sonhos são cobrir uma Copa do Mundo em loco e dar um espelho para que pessoas iguais a mim, asiáticos, tenham alguém para se inspirar.

Related Post